Entenda como reduzir os custos de saúde na sua empresa

Entenda como reduzir os custos de saúde na sua empresa
8 minutos para ler

Um dos principais desafios que um gestor de RH enfrenta são os altos custos de saúde na empresa envolvendo os planos médicos e a saúde dos funcionários, o que leva a uma crescente necessidade de diminuir as despesas empresariais. Para dificultar ainda mais esse quadro, as previsões feitas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) relatam uma expectativa no aumento do preço dos planos de saúde devido ao envelhecimento da população brasileira.

Diante disso, os gestores de RH passam a procurar alternativas para diminuir os custos referentes aos planos de saúde para equilibrar as despesas empresariais. Mas, como isso pode ser feito? É sobre esse assunto que vamos falar nesse post. Confira!

O impacto dos altos custos de saúde nas empresas

De acordo com uma recente pesquisa, as despesas com assistência médica já ultrapassaram os investimentos feitos para captação e treinamento de trabalhadores ficando em segundo lugar no ranking de maiores gastos empresariais, superado apenas pela folha de pagamentos. Desse modo, a contratação de planos de saúde atinge, em média, entre 12% e 20% dos custos fixos de uma empresa.

Diante disso, a preocupação com a saúde dos funcionários e com a contratação de planos de saúde passaram a ser um ponto importante no resultado final das finanças empresariais. As empresas estão se preocupando mais em estabelecer programas que controlem os custos de saúde, por meio do autocuidado e do auxílio à manutenção da boa forma dos funcionários.

Dicas para a redução de custos de saúde nas empresas

1. Incentivar a adoção de medidas preventivas

A sinistralidade do plano de saúde é a diferença entre a receita paga pela empresa às operadoras de saúde (mensalidade por funcionário) e os gastos dos planos feitos pelos funcionários e seus dependentes (consultas, internações, exames). Quando a despesa é maior que a receita, considerando um limite técnico, chamamos de sinistro. Isso pode ser causado por consultas, procedimentos e exames realizados de forma exagerada ou inadequada.

Várias pessoas procuram um médico apenas quando seu estado de saúde já não está bom, o que leva à necessidade de tratamentos mais complexos e dispendiosos. Diante disso, a empresa pode criar um incentivo para que os funcionários realizem exames de rotina, que são os seguintes:

  • homem com menos de 45 anos: hemograma, glicemia de jejum, urina de rotina, creatinina, colesterol total e frações, TGO e TGP;
  • mulheres com menos de 45 anos: os mesmos que os anteriores, incluindo a citologia oncótica;
  • homens acima de 50 anos: acrescentar o PSA e a pesquisa de sangue oculto nas fezes;
  • mulheres acima de 50 anos: adicionar mamografia e sangue oculto nas fezes.

Essa prática pode gerar um gasto para a empresa com os planos de saúde, porém, evita futuras doenças e despesas exorbitantes com consultas e futuros procedimentos. A empresa pode identificar grupos de risco por patologia e implementar ações de orientação, acompanhamento e mudança de comportamento para aderir ao autocuidado da saúde.

As medidas de prevenção e de conscientização devem estar acompanhadas de um plano de comunicação estruturado, com metodologia e técnicas de mudança de hábitos e comportamento, e uso de canais efetivos que estejam ao alcance dos funcionários como Intranet, TV corporativa, App da empresa, e-mail, newsletter, blogs, redes sociais, entre outros.

2. Encorajar hábitos saudáveis de vida

Todos sabemos que a prática de exercícios físicos e uma alimentação saudável são os pilares para uma boa saúde e, consequentemente, levam a menos riscos de doenças que encarecem o plano de saúde.

A empresa pode ajudar na alimentação dos funcionários selecionando um cardápio variado e colorido com o apoio de uma nutricionista, caso a empresa conte com um refeitório. Se ela faz parcerias com restaurantes, escolha aqueles que oferecem um cardápio mais leve e saudável. Desse modo, os funcionários estarão melhorando a alimentação e diminuindo o sal e gordura das suas refeições, o que contribui para uma boa saúde.

Além disso, a empresa pode criar campanhas de reeducação alimentar com um especialista que dará dicas sobre como montar um prato saudável e diminuir alimentos prejudiciais como o açúcar e as frituras. Apesar de ser um gasto a mais no final do mês, essa ação poderá reduzir consideravelmente os custos de saúde na sua empresa!

Outra ótima medida, é promover ginástica laboral antes, durante ou depois do horário de serviço dos funcionários. Essa prática pode prevenir as lesões por esforços repetitivos (LER), além de estimular pessoas sedentárias a terem mais interesse por exercícios físicos.

Mas também não adianta disponibilizar ações se os funcionários não se engajam e não mudam seus hábitos. Por isso, é imprescindível contar com parceiros especializados que se apoiam em estratégias de mudança de comportamentos e hábitos. Assim, as ações de saúde implementadas pela empresa terão muito mais efetividade, do contrário, será um incremento dos gastos com saúde, aumentando ainda mais os custos.

3. Orientar os funcionários sobre o uso do plano de saúde

Fazer as devidas orientações aos funcionários, explicando que o plano de saúde deve ser utilizado como meio de prevenção e de necessidade, é uma forma de minimizar o aumento de sinistralidade de sua empresa.

Quando um funcionário não tem certeza de qual especialidade médica procurar, ele poderá agendar uma consulta com um médico que não tenha aptidão para solucionar o seu problema, necessitando o encaminhamento para outro especialista.

Além de um plano de conscientização estruturado, vale contar com empresas especializadas em orientar e direcionar, de forma contínua, o uso adequado do plano de saúde, evitando exageros e desperdícios relevantes para os custos com saúde nas empresas. 

4. Alterar o modelo de pagamento do plano de saúde

Outra alternativa para diminuir os custos de saúde na empresa é mudar a característica do plano de saúde. A contratação de um plano pós-pago pode ser mais vantajosa que um plano pré-pago, uma vez que a empresa necessitará arcar com a despesa somente quando o funcionário utilizar o plano.

Entretanto, esse método somente obterá êxito se a equipe de RH não só acompanhar, mas também adotar ações efetivas para conter custos. Esse modelo é muito arriscado para empresas que não têm um histórico de sinistro controlado.

A estratificação da população por perfil é uma medida essencial para contratar soluções de saúde personalizadas. Por exemplo, dependendo das características do seu pessoal, há mais benefício em manter um programa de saúde preventivo junto ao plano do que sustentar somente esse último, cuja sinistralidade pode aumentar constantemente devido à falta de cuidados pessoais dos funcionários.

5. Contar com o apoio de uma consultoria especializada

O trabalho da AxisMed é  apresentar soluções de saúde que reduzam custos. Ele se inicia com a estratificação da população que usou o plano médico nos últimos 36 meses e geraram contas médicas, além de dados da medicina ocupacional, ambulatório, medicamentos, exames, entre outros. Com a visão dos procedimentos utilizados, conseguimos dizer quem é crônico (diabético, hipertenso, com câncer, problemas de coluna, renal etc.), gestantes, hiperutilizadores dos recursos de saúde (uso exagerado e desnecessário), internados, e também é possível obter cenários preditivos e adotar soluções preventivas em saúde.

Os grupos são analisados com projeção de aumento de custos para os próximos anos e, a partir daí, implementamos soluções de saúde, com uma central de orientação formada por médicos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, farmacêuticos, psicólogos, assistentes sociais, entre outros. Eles mantêm contato telefônico, por e-mail ou SMS com as pessoas selecionadas para os programas de saúde e atuam com orientações sobre a patologia e os cuidados com saúde, com foco no autocuidado para estabilizar as condições e dúvidas sobre saúde e até casos de urgência e emergência.

Ou seja, funcionários e dependentes têm à disposição uma equipe de saúde para apoiá-los em várias especialidades e necessidades, e contam ainda com uma Central Clínica 24 horas, 7 dias por semana, para atender dúvidas e urgências. Ao final, o cliente que nos contratou tem assegurado o ROI — Retorno sobre o Investimento que ele fez com os programas de saúde contratados.

Gostou das nossas dicas? Aproveite para assinar a nossa newsletter e fique por dentro de todos os assuntos relacionados à gestão de saúde!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-