Gerenciamento de vidas: entenda como e por que analisar os usuários de planos de saúde

Gerenciamento de vidas: entenda como e por que analisar os usuários de planos de saúde
6 minutos para ler

Traçar perfis de saúde não é uma tarefa simples, ao contrário, ela um desafio para todos os envolvidos. Inversamente proporcional a esse desafio, estão os benefícios trazidos para os gestores e para as operadoras de planos de saúde. Ao realizar o mapeamento dos dados dos usuários de planos de saúde, os gestores conseguem ter acesso a informações que contribuem para identificar pontos críticos e que demandam ações imediadas.

As ações devem ser voltadas para os problemas de forma específica, facilitando o trabalho dos profissionais e contribuindo para a melhoria da saúde da população. Além disso, programas de medicina preventiva podem ser iniciados com base nesses dados, favorecendo todos os envolvidos na cadeia.

Neste artigo especial, fruto da entrevista com Oswaldo Camargo Neto, executivo de novos negócios da AxisMed, você vai entender como a análise dos usuários de planos de saúde contribui para o planejamento da gestão. Além de compreender os impactos da alta sinistralidade, vamos trazer informações sobre os dados que devem ser acompanhados, dicas de como mapear as informações dos usuários, bem como ações que podem ser implementadas para reverter a sinistralidade. Acompanhe!

Os impactos da alta sinistralidade

A alta sinistralidade dos planos de saúde evidencia que os gastos com plano de saúde foram superiores aos valores pagos pela empresa com o serviço. Situações que envolvam gastos elevados e alta sinistralidade devem acender um sinal de alerta nas empresas.

Na prática, isso significa que o valor gasto pela empresa não foi o suficiente para suprir os gastos gerados pelos usuários do plano. O reflexo atinge tanto a empresa quanto os usuários, isso porque quando se identificam gastos mais elevados, é aplicado um reajuste técnico na fatura emitida pela operadora/seguradora de saúde.

O reflexo disso é que as empresas acabam se deparando com a dificuldade de assumir os custos com o plano de saúde dos seus colaboradores, o que pode refletir em redução do serviço oferecido aos usuários, fazendo com que algumas até cancelem o benefício.

Normalmente, quando a sinistralidade está alta e o custo se eleva, as empresas acabam optando por planos de saúde mais baratos com a oferta de uma rede credenciada mais baixa e, muitas vezes, um atendimento de menor qualidade, o que impacta na atração e retenção dos profissionais.

Identificação da sinistralidade

Para identificar a alta sinistralidade, as empresas devem analisar os dados de utilização do plano de saúde. Tais informações são obtidas por meio da análise das contas médicas.

O processo de análise e de identificação de sinistralidade é bastante complexo, pois envolve códigos e termos que normalmente os profissionais de recursos humanos não dominam. Dessa forma, torna-se imprescindível a análise de profissionais especializados.

Mapeamento do comportamento dos usuários

Você deve estar se perguntando de que forma o comportamento dos usuários de planos de saúde podem ser mapeado.

De forma geral, esse mapeamento deve estar baseado, inicialmente, no uso do plano de saúde por um determinado período. Transcorrido esse período, utilizam-se ferramentas específicas de Business Intelligence, que fazem a leitura do comportamento de utilização do plano por meio de algoritmos, estratificando os grupos de risco e apontando informações relevantes encontradas na base de dados.

O Business Intelligence, também conhecido como inteligência de negócios, é um processo que inclui as etapas de coleta, organização, análise, compartilhamento e monitoramento de informações com o objetivo de oferecer suporte especializado à gestão de diferentes tipos de negócios.

No contexto da inteligência em saúde e da gestão de planos, ele permite o uso de técnicas que auxiliam na transformação de dados brutos sobre os usuários do plano de saúde, em informações úteis e significativas para a análise e planejamento de um negócio.

Assim, o seu objetivo é permitir a interpretação de um volume considerável de dados, identificando oportunidades e implementando estratégias para a promoção e o aumento de competitividade de diferentes tipos de negócios.

A importância de conhecer o comportamento dos usuários

Conhecer o comportamento dos usuários permite a identificação do grupo de risco no qual ele está inserido. Os perfis identificados podem ser de pacientes oncológicos, pacientes com fator de risco alto, doentes crônicos, hiperutilizadores, gestantes, heavy users, entre outros.

Em termos de representatividade de custos e de maior impacto financeiro das empresas, os perfis de pacientes crônicos e hiperutilizadores são os que mais se destacam, tendo em vista que podem representar um custo superior a 30% do valor total da fatura do plano de saúde das empresas.

Ações que podem ser implementadas para reverter a sinistralidade

Após a análise dos dados e a identificação dos grupos de risco, quais são as ações que podem ser adotadas para reverter o problema da sinistralidade? Será que existem mecanismos que podem contribuir para minimizar o impacto financeiro, contribuindo para todos os envolvidos na cadeia de utilização do plano de saúde?

Sem dúvidas, após mapear e compreender o comportamento dos usuários do plano de saúde, é possível adotar ações específicas voltadas para a reversão da sinistralidade.

Entre elas, podemos destacar, por exemplo, a implementação de programas de saúde como o gerenciamento de doentes crônicos e a gestão dos hiperutilizadores.

Além disso, é possível mostrar para os usuários os impactos positivos gerados pelas mudanças nos hábitos de vida, pela prática de exercícios físicos, alimentação saudável, redução do uso de medicamentos sem prescrição médica, sempre focando na responsabilidade que o indivíduo tem com o autocuidado que dedica à sua saúde.

Os resultados dessas ações costumam ser sentidos a médio e longo prazo, geralmente com efeitos diretamente vinculados ao uso mais consciente do serviço de plano de saúde, contribuindo para a redução dos gastos e do impacto com a sinistralidade.

Orientar os usuários para que o uso do plano de saúde seja feito de forma adequada é uma forma de minimizar o uso desenfreado do serviço. Nesse contexto, a análise do histórico dos pacientes é essencial para identificar os comportamentos e abordar ações efetivas.

Você quer investir no gerenciamento de vidas, analisar os usuários do planos de saúde, melhorar o desempenho do seu negócio, garantindo a redução do sinistro do seu plano de saúde? Então entre em contato com a AxisMed e descubra como podemos ajudar na gestão de saúde da sua empresa.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-