BI em saúde: 4 soluções práticas que a sua empresa pode trazer

BI em saúde: 4 soluções práticas que a sua empresa pode trazer
6 minutos para ler

Em tempos que a tecnologia avança exponencialmente, ter acesso às informações deixou de ser um privilégio: agora tornou-se uma obrigação para as empresas que pretendem crescer e competir no mercado. Uma das ferramentas de maior sucesso nesse sentido é a Business Intelligence (BI), usada largamente em vários setores. Falando especificamente de BI em saúde, é possível alcançar um novo patamar, tanto em empresas quanto em operadoras de saúde.

Mas, afinal, o que é Business Intelligence? Esse termo caracteriza uma série de ferramentas que têm em comum a capacidade de coletar e analisar grandes volumes de dados. É um recurso geralmente fornecido por setores de Tecnologia da Informação (TI), mas muito valioso na área da saúde. É por meio da observação prática desses dados que se tomam decisões mais focadas em objetivos, que alavancam a empresa.

Nesse post, abordaremos benefícios que a BI pode trazer para o seu negócio. Seja a sua empresa uma contratadora, seja uma fornecedora de planos de saúde, essas ferramentas podem ser ideais para vários parâmetros. Não fique para trás e continue lendo para saber mais!

1. Análise de demanda

Se existe uma regra em qualquer ramo da administração empresarial, os serviços então devem se orientar pela demanda. Na saúde não é diferente, e isso é visível em todas as etapas da assistência. Um exemplo muito prático, é verificar o número de vagas em residências médicas: áreas amplas, como clínica médica ou pediatria, são muito mais numerosas do que subespecialidades, como cirurgia cardíaca.

Na oferta de planos de saúde não é diferente. É essencial que se conheça onde há mais demanda de serviços e direcionar os recursos para essa área. Nesse sentido, a BI é imprescindível no fornecimento de dados que direcionem o investimento. Pode-se, por exemplo, traçar períodos de maior procura por determinado serviço, ou compreender doenças que estão no início da ocorrência.

2. Definição de perfis de usuário

Traçar perfis de usuário tem a mesma praticidade do item anterior. No entanto, essa ferramenta tem algumas peculiaridades que podem ser exploradas positivamente pela sua empresa. O termo demanda identifica a procura voluntária dos usuários do serviço de saúde. Os perfis de usuário trazem ao gestor importantes informações quanto a fatores de risco e ajudam a prevenir determinadas condições.

O impacto da BI nesse setor é tão grande que ela é utilizada em escala nacional para a confecção do DATASUS. Como um exemplo da importância de perfis de usuário, basta analisarmos as preocupações quanto ao envelhecimento da população: a idade configura um fator de risco para doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e câncer. Identificando precocemente esse parâmetro, pode-se direcionar recursos para a prevenção dessas doenças e prever possíveis perspectivas de saúde.

3. Redução de custos

Essa previsão de cenários que acabamos de mencionar traz vários benefícios para a assistência à saúde. O de maior vantagem para as empresas, naturalmente, é a redução de custos. Os estudos mais recentes vêm sendo cada vez mais claros demonstrando que prevenir sai muito mais barato do que tratar. Isso é válido tanto para planos de saúde quanto para o paciente que pode assumir contas caras em planos com coparticipação.

Isso é visível pela adoção, tanto do Brasil quanto de outros países, em modelos de saúde baseados na Atenção Primária. Esse nível de assistência à saúde pode resolver cerca de 80% das queixas apresentadas; além disso, ele promove uma visão mais longitudinal do paciente e ajuda na prevenção de doenças e na promoção da saúde.

E não é apenas na esfera pública que esse sistema vem crescendo: planos de saúde já vêm migrando aos poucos para a Atenção Primária, e isso graças à Business Intelligence. Esse é o maior exemplo de como a análise crítica de dados impacta positivamente na gestão em saúde e causa revoluções na área.

Mas a redução de custos com a BI em saúde vai além da análise da assistência por si só. A Business Intelligence pode ser usada para levantar dados sobre o próprio serviço, como clínicas associadas e gastos administrativos. Em meio a tantos dados, no entanto, é necessária uma análise especializada e eficiente para focar os esforços onde eles são mais úteis. E é aí que entra a consultoria especializada, por exemplo.

4. Análise de riscos

Quando se fala em investimento em saúde, é impossível não levar em consideração a análise de riscos. Isso ocorre porque qualquer ser humano está constantemente em perigo de desenvolver uma doença fatal. Com o avanço da tecnologia na medicina, os procedimentos vêm acumulando um custo cada vez maior; daí a necessidade frequente de pesar na balança os riscos de desenvolvimento de doenças.

Para isso, nada melhor do que a BI em saúde. Ela pode ser usada, em um primeiro momento, para verificar fatores de risco entre os usuários e traçar projeções a longo prazo. Além disso, com uma análise cuidadosa, é possível cruzar esses dados com evidências sobre a doença: assim, é possível verificar se determinados parâmetros causarão maiores custos com exames e procedimentos. Isso direciona a análise de riscos não somente para o desenvolvimento de doenças, mas também para a própria gestão do plano de saúde.

Nesse artigo, você compreendeu como a Business Intelligence pode trazer vantagens competitivas à sua empresa. Se você é de uma prestadora ou de uma contratadora de planos corporativos, o levantamento de dados é imprescindível para uma boa gestão em saúde. Não se esqueça que, além de coletar essas informações, também é preciso saber como manejá-las e contar com profissionais capacitados na área.

Se você tem interesse em assuntos como BI em saúde, não perca tempo! Assine já a nossa newsletter e fique sempre atualizado sobre gestão em saúde e o uso da tecnologia no ramo. Estamos sempre falando a respeito disso em nosso blog!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-