Adolescentes e coronavírus

Adolescentes e coronavírus: como amenizar os impactos do isolamento?

O cenário da pandemia pela COVID-19 é assunto notório, muito debatido em jornais e artigos. Atualmente, a recomendação da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde é objetiva e direta: devemos manter o isolamento social para controlar a transmissão da doença. No entanto, essa estratégia não é livre de riscos; por isso, devemos saber como amenizar seus impactos quando se trata de adolescentes e coronavírus.

A escola sempre foi mais que apenas uma educadora formal de crianças e adolescentes. Ela também possibilita a interação social e a aquisição de novas habilidades, dentro e fora da sala de aula. Por isso, a interrupção das atividades pode trazer efeitos indesejados para os alunos, aumentando o estresse e os impactos na saúde mental.

Para te ajudar a amenizar esses efeitos, traremos, a seguir, 4 estratégias simples e eficazes que podem ser adotadas imediatamente. Com elas, é possível transformar esse momento de incerteza e ansiedade em novas oportunidades. Continue lendo para saber mais!

1. Estabeleça uma rotina

Embora o período de isolamento social se assemelhe às férias escolares, muitos adolescentes estão em uma situação especial: as aulas provavelmente foram retomadas em fevereiro ou março, provavelmente ainda não tendo conseguido restaurar a rotina dos alunos. O efeito benéfico das férias — de descansar e promover a recuperação mental —, portanto, não é aplicável ao isolamento social.

Daí a importância de, mesmo em casa, estabelecer uma rotina de atividades, para mimetizar parte do que seria o ambiente escolar. Os pais podem decidir, com o adolescente, a quais atividades ele pode se dedicar. Adiantar os estudos, aprender uma nova habilidade ou conhecer novos filmes e séries podem ser boas ideias.

2. Estimule as atividades físicas

As atividades físicas estão em alta atualmente. Além de prevenir contra o surgimento de doenças crônicas, elas também auxiliam a manter os níveis hormonais e melhorar o humor.

Com academias fechadas e atividades sociais suspensas, é natural que essas atividades sejam colocadas de lado. No entanto, buscar alternativas para estimulá-las, mesmo em casa, é uma das principais saídas para amenizar os impactos do isolamento.

Essas alternativas podem envolver, por exemplo, exercícios de ginástica e até mesmo caminhadas dentro de casa. Caso você já esteja pensando em comprar uma bicicleta ergométrica ou uma esteira, esse é o momento certo para investir.

3. Promova conexões com os amigos

A adolescência é um período crucial para o desenvolvimento da personalidade e das habilidades sociais. Mesmo durante as férias, os jovens tendem a manter encontros frequentes e sair com os amigos.

Por isso, o isolamento pode ser prejudicial aos fatores emocionais e sociais do adolescente. Para minimizar esse fenômeno, podemos optar por outros métodos de interação, como jogos online ou videoconferências com os amigos. Assim, ele evita se distanciar do grupo de amigos e se previne de distanciamento quando as aulas voltarem.

4. Use a tecnologia como aliada

Há alguns anos, provavelmente um período de isolamento total seria muito mais prejudicial do que nos dias atuais. Hoje, temos tecnologias mais modernas e uma velocidade de transmissão de dados que nunca foram vistas anteriormente. Mesmo em casa, podemos utilizar essas ferramentas para criar distrações mais criativas e nos manter entretidos por mais tempo.

Por isso, ao buscar novas atividades, não hesite em utilizar a tecnologia a seu favor. Aproveite o momento para conhecer novos serviços, aplicativos ou sites. Esse pode, inclusive, ser um momento de estreitamento de laços entre adolescentes e seus pais — algo difícil com a correria do dia a dia e com os ambientes digitais muito distintos.

Saber lidar com adolescentes e coronavírus pode fazer toda a diferença na eficácia de nossas ações durante a pandemia. Seguindo dicas práticas e diretas, é possível se organizar melhor e minimizar os impactos negativos que o coronavírus traz às nossas vidas.

E você, tem usado quais estratégias para amenizar esse impacto? Deixe um comentário e interaja conosco!

Quer receber mais conteúdos de saúde, gratuitamente?

Basta inserir seu e-mail aqui.

E-mail registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.