reinternações

4 maneiras de prevenir reinternação de pacientes pelo mesmo motivo

A internação de um paciente é, sem dúvidas, um procedimento necessário para que haja o melhor acompanhamento médico do quadro clínico e para que os melhores recursos sejam empenhados para que a recuperação ocorra, correto?

No entanto, quando uma reinternação acontece pelo mesmo motivo, existe uma série de preocupações acerca da saúde do paciente. A taxa de readmissão hospitalar também é um grande desafio para operadoras de planos de saúde, visto que é uma situação onerosa.

Neste artigo, você poderá saber por que a reinternação deve ser evitada e conferir alguns passos para que essa seja uma situação que ocorra somente quando necessário. Boa leitura!

Entenda por que a reinternação deve ser evitada

Seja qual for a motivação, a internação por si só já é um momento delicado para a saúde do paciente. Quando falamos de uma reinternação pelo mesmo motivo, essa situação pode ser considerada crítica. É muito interessante, para o paciente, operadoras de saúde e prestadores de serviço, como clínicas e hospitais, que a reinternação seja evitada.

A seguir, você poderá entender quais são os principais motivos para evitar que um paciente volte a ser internado em função do mesmo problema.

Riscos à saúde do paciente

A saúde do paciente deve ser a maior preocupação em qualquer situação. Na reinternação não é diferente. A preocupação com essa ocasião se deve aos riscos que são oferecidos ao bem-estar do doente, como:

  • infecção hospitalar — hospitais e clínicas recebem grandes quantidades de pessoas com diferentes doenças, portanto, quanto mais tempo o paciente permanece na unidade de saúde, maior o risco de contrair qualquer uma dessas enfermidades;
  • quadros depressivos — o afastamento da rotina, família e amigos pode fazer com que o paciente sinta-se triste e inicie um quadro depressivo;
  •  debilitação física — ao ficar acamado, o paciente se movimenta pouco, o que pode culminar na perda de massa magra, força do corpo e dificuldade de locomoção.

Aumento dos custos para os planos de saúde

A reinternação não é prejudicial somente para a saúde do paciente. Ela também interfere no balanço financeiro de prestadores de serviço e operadoras de plano de saúde. Esse é um fator tão importante para a saúde brasileira que se tornou um dos critérios de avaliação do Fator de Qualidade da Agência Nacional de Saúde (ANS). 

Este aspecto interfere, inclusive, no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Esse é o indicador oficial de inflação que é utilizado para calcular o reajuste de contratos entre unidades hospitalares e operadoras de plano de saúde. As readmissões hospitalares oriundas de câncer e obstetrícia são excluídas do índice.

A alta taxa de reinternação apresentada por um prestador de serviço implica em um índice ruim de qualidade no atendimento. Portanto, quando essa situação ocorre, a operadora do plano de saúde pode modificar o contrato com prestadores de serviço. 

Veja 4 maneiras de evitar a reinternação

Por vezes, as reinternações podem ser evitadas. Para isso, é preciso que os profissionais de saúde da unidade hospitalar orientem pacientes, familiares ou responsáveis a manterem os cuidados essenciais. Confira 5 formas de evitar a reospitalização a seguir.

Guia da gestão integrada da saúde: controle e redução de custos para empresasPowered by Rock Convert

1. Oriente o paciente e seus familiares adequadamente sobre os cuidados necessários

Esse é o principal fator para que a reinternação seja evitada. Muitas vezes o paciente retorna ao ambiente hospitalar por conta de cuidados básicos que não foram aplicados. Sempre antes de ocorrer a alta, um profissional precisa dar as instruções de como aquele paciente precisa ser tratado fora da unidade de saúde. Ele deverá instruir sobre:

  • periodicidade e como tomar a medicação necessária;
  • preparação e realização de exames pós alta;
  • periodicidade de consultas médicas;
  • uso de equipamentos médicos;
  • orientações específicas para o tipo de procedimento realizado.

Para que as informações não sejam esquecidas, o ideal é fazer as recomendações oralmente e também entregá-las escritas. O profissional não deve esquecer de perguntar se o paciente e seus acompanhantes têm alguma dúvida, pois, aquele é o momento de esclarecê-las.

2. Implemente programas que acompanhem o pós-alta 

O investimento em programas que acompanham pacientes que receberam alta pode resultar em um bom retorno, já que, uma boa parcela das reinternações hospitalares pode ser evitada.

Orientar os pacientes nos cuidados pós alta, na adesão à medicação e ao médico e ainda acompanhar a melhoria do quadro são excelentes alternativas para controle dos custos com as reinternações. Essas ações podem ser realizadas de forma remota, por telefone ou vídeo, por exemplo, no melhor horário e local para o paciente.

3. Reitere a importância dos cuidados com a alimentação

Enquanto estão hospitalizados, os pacientes recebem a alimentação adequada para a situação clínica. No entanto, quando retornam para casa, muitos deixam de seguir o protocolo ideal. Sendo assim, deixam de ingerir as substâncias necessárias para manter o corpo nutrido.

A desnutrição por si só já é um problema a ser tratado e ainda pode agravar o quadro do paciente. Qualquer paciente que tenha recebido alta deve se preocupar com a alimentação, e principalmente aqueles que têm a saúde debilitada ou sofrem de doença crônica.

4. Invista em orientações contínuas

A gestão integrada de saúde busca o compartilhamento de informações entre diferentes áreas de uma unidade hospitalar. Ações estruturadas e planejadas também fazem parte desse tipo de gestão. 

Se a reospitalização é uma questão a ser tratada em um hospital ou clínica, a gestão integrada pode traçar as melhores estratégias e planos de ações para reduzir a taxa e levar o melhor atendimento e tratamento aos pacientes.

A reinternação de um paciente é um procedimento que não deve ser negado, mas que, por vezes, pode ser evitado. O trabalho de conscientização sobre os riscos que a readmissão hospitalar oferece à saúde do paciente e a importância de realizar cuidados básicos com a saúde após a alta ajudam a reduzir essa taxa.

Gostou deste conteúdo sobre como evitar a reinternação de pacientes pelo mesmo motivo? Entre em contato conosco para conhecer outras estratégias de gestão de saúde!

Quer receber mais conteúdos de saúde, gratuitamente?

Basta inserir seu e-mail aqui.

E-mail registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.